analise-de-solo
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Interpretação dos Resultados das Análises de Solos

Confira o artigo sobre a interpretação dos resultados das análises de solos, escrito pela EPAMIG.

Navegue pelo conteúdo

Introdução

Este artigo tem por objetivo levar informações sobre interpretação de análises de solos para fins de recomendação de calagem e adubação.

A análise de solo é uma ferramenta básica para recomendações de calagem e adubação nas culturas agrícolas. Para o sucesso da atividade, devem-se seguir criteriosamente três passos igualmente importantes e fundamentais.

O primeiro refere-se à coleta da amostra de solo, que, se não realizada corretamente, vai comprometer os passos seguintes. O segundo passo diz respeito à escolha do laboratório ao qual será confiada. Também aqui, é fundamental que o procedimento seja bem-sucedido, uma vez que resultados não confiáveis podem levar a erros na interpretação.

O terceiro e último passo é uma atribuição do engenheiro agrônomo e/ou do técnico em agropecuária. São analisados os resultados e, junto à outra ferramenta básica, Recomendação para uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais, é realizada a recomendação de acordo com as condições do solo e também as exigências nutricionais da cultura que se deseja implantar. Esta última etapa consiste no foco principal desta cartilha e pode ser útil para extensionistas, autônomos e outros profissionais que atuam neste segmento.

Análise do Solo

Existem vários tipos de análises de solo disponíveis no mercado, a escolha dependerá do objetivo a ser alcançado. As análises conhecidas como “rotina” dão subsídios aos profissionais para definir as doses de calcário e adubos a ser aplicadas no solo para determinado cultivo. Uma análise de rotina completa contempla fertilidade, inclusive micronutrientes, matéria orgânica (MO) e granulometria ou textura.

Fertilidade

1 – pH (potencial hidrogeniônico)

Representa a concentração de hidrogênio na solução do solo [H+], também conhecido como acidez ativa do solo.

Unidade: mols de H+/ litro de solução.

Exemplo: 10-6 mols de H+/ litro de solução.

Metodologia

A maioria dos laboratórios determinam pH em água, outros programas utilizam outras formas de determinação do pH, como por exemplo, cloreto de cálcio (CaCl2) 1M, cloreto de potássio (KCl) 1N. Assim, é importante observar a metodologia utilizada.

Para pH em água, utiliza-se a seguinte interpretação:

2 – Fósforo e potássio disponíveis

Na quantificação do fósforo (P) e potássio (K) disponíveis adotam-se dois procedimentos: extração do solo, realizada com extrator North Carolina ou Mehlich 1 (H2SO4 0,025 N + HCl 0,05 N) e determinação dos teores desses dois nutrientes, utilizando colorímetro (P) e fotômetro de chama (K).

Unidade: mg/dm3 de solo, que corresponde ao antigo ppm (não recomendado no Sistema Internacional de Unidades), e pode ser transformada em kg/ha, utilizando a fórmula a seguir:

Exemplo: 5 mg de P/dm3 de solo.

1 dm3 = 10 cm x 10 cm x 10 cm = 1000 cm3 = 1 litro de solo

Como a densidade do solo é próxima a 1, então 1 litro equivale a 1kg de solo, portanto, tem-se:

5 mg de P em 1 kg de solo, ou, 0,000005 kg de P em 1 kg de solo.

Em 1 hectare, considerando a camada arável de 0 a 20 cm tem-se 2000 m3 de solo ou 2.000.000 kg, por regra de três tem-se:

Para P e K disponíveis utilizar a interpretação:

Observe que o nível de P no solo depende do P remanescente (rem).

Considerando três solos com um mesmo teor de P disponível, porém, valores diferentes de P-rem:

Neste caso, pode-se afirmar que embora os solos apresentem o mesmo teor de P disponível, o solo 1 deverá receber uma menor dose de adubo fosfatado do que o solo 2 e, este, menos que o solo 3.

3 – Fósforo remanescente

Atenção: os valores relativos ao P-rem não representam níveis de P no solo, e sim uma estimativa da capacidade tampão do mesmo e, depende não só do teor de argila, mas também da sua mineralogia e teor de MO do solo. Os resultados do P-rem podem variar de 0 a 60 e permitem determinar o valor “Y” para calagem (capacidade tampão para variação do pH), além dos níveis de P disponível e enxofre (S) no solo.

Unidade: mg/L de solução do solo.

4 – Cálcio, magnésio e alumínio trocáveis

O cálcio (Ca) e o magnésio (Mg) são considerados macronutrientes e na maioria dos solos tropicais encontram-se em níveis baixos. Já o alumínio (Al), é um elemento tóxico para as plantas e está associado à acidez. São denominados trocáveis por estarem adsorvidos (ligados) às cargas negativas das argilas – capacidade de troca catiônica (CTC) e estão em equilíbrio com a solução do solo.

A extração desses elementos do solo é feita com uma solução de KCl na concentração de 1N e a determinação pode ser feita por titulometria ou espectrofotômetro de absorção atômica.

Unidade: cmol(C)/dm3 de solo. O centimol de carga (cmol(C)) é um submúltiplo do Mol (Mol/100) e pode ser quantificado utilizando o peso molecular e a valência do elemento em questão, utilizando os valores da fórmula:

Também utilizando os valores a seguir:

Esta unidade de concentração pode ser transformada em kg/ha.

Exemplo:

A interpretação para Ca, Mg e Al é a seguinte:

5 – Acidez potencial (H+ + Al+++)

Corresponde ao somatório da acidez trocável e acidez não trocável que se encontram adsorvidas (ligadas à CTC do solo). A extração da acidez potencial é feita utilizando solução de acetato de cálcio a pH 7.0 ou tampão SMP, e a determinação é feita por titulometria.

Unidade: cmol(c)/dm3 de solo.

A interpretação dos resultados para acidez potencial é a seguinte:

6 – Micronutrientes

Os micronutrientes são elementos químicos essenciais para os vegetais, porém em pequenas quantidades, quando comparados com os macronutrientes. São divididos em dois grupos, de acordo com a forma de absorção: catiônicos – zinco (Zn), cobre (Cu), ferro (Fe), manganês (Mn), cobalto (Co) e níquel (Ni) – e aniônicos – boro (B), cloro (Cl) e molibdênio (Mo). Embora existam metodologias para determinação de todos eles, na rotina só se determina B (água quente), Cu, Zn, Fe e Mn (Mehlich 1).

Unidade: mg/dm3, mesma unidade usada para P e K disponíveis.

A interpretação dos resultados para micronutrientes é a seguinte:

7 – Enxofre

O S, assim como o Ca e o Mg, é considerado um macronutriente secundário.

Para a interpretação dos níveis de S no solo, deve-se considerar o resultado do P-rem como a seguir:

Matéria orgânica

8 – Carbono orgânico

Para estimar os teores de MO do solo primeiramente deve-se determinar o teor de carbono orgânico.

Unidade: dag/kg.

Esta unidade substitui a porcentagem (%) e se equivalem (1 dag/kg é igual a 1%), que não é mais recomendada no Sistema Internacional de Unidades. Alguns laboratórios utilizam o submúltiplo g/kg (1 dag/kg é igual a 10 g/kg).

Estimativa da MO: basta multiplicar o carbono orgânico pelo fator 1,724, como na fórmula:

A interpretação dos resultados para a MO do solo é a seguinte:

Granulometria ou análise textural

9 – Areia, silte e argila

Esta determinação define a relação entre as partículas unitárias (areia, silte e argila), presentes na fração terra fina do solo (partículas menores que 2,0 mm). Trata-se, portanto, de uma análise física de separação das partículas por tamanho.

A seguir apresentam-se as partículas unitárias presentes na fração terra fina:

Os resultados da análise textural podem ser expressos em porcentagem (%), dag/kg de solo ou g/kg de solo.

Exemplo: 50% de areia correspondem a 50 dag/kg de solo ou 500 g/kg de solo.

Após obtenção dos valores de areia, silte e argila pode-se definir a classe textural a que pertence o solo. Duas classificações podem ser usadas. A classificação simplificada, que considera somente o teor de argila contemplando quatro classes e a classificação detalhada, que considera os teores das três frações e contempla 13 classes.

A interpretação simplificada das classes texturais do solo é apresentada a seguir:

A interpretação detalhada para classes texturais do solo é a seguinte:

Os atributos discutidos nos itens 1 a 9 referem-se a determinações analíticas feitas no laboratório, como descrito. Os itens 10 a 16 correspondem a cálculos realizados a partir dos resultados analíticos obtidos. São eles; soma de bases (SB), CTC efetiva (t), CTC a pH 7 (T), porcentagem de saturação por bases (V%), porcentagem de saturação por Al (m%), relações entre bases e relações entre bases e CTC.

10 – Soma de bases

São considerados bases do solo o Ca, o Mg e o K. Para os solos salinos deve-se considerar, ainda, o sódio (Na). O cálculo da SB é feita utilizando a seguinte fórmula:

Unidade: cmol(c)/dm3 de solo.

Observação: para o cálculo dos atributos de 10 a 16, deve-se primeiramente fazer a transformação do K de mg/dm3 de solo para cmol(c)/dm3 de solo, o que pode ser feito utilizando a seguinte fórmula:

11 – Capacidade de troca catiônica efetiva

A CTC efetiva (t) mede a quantidade de cargas negativas que estão presentes no solo, considerando o pH em que este se encontra, podendo ser calculada pela seguinte fórmula:

Unidade: cmol(c)/dm3 de solo.

12 – Capacidade de troca catiônica a pH 7.0

A CTC a pH 7 (T) considera todas as cargas do solo (permanentes e dependentes do pH), caso o pH do solo seja ajustado a 7 é calculada somando a SB com a acidez potencial utilizando a fórmula:

Unidade: cmol(c)/dm3 de solo.

13 – Porcentagem de saturação por bases

Indica a proporção de bases com relação à CTC a pH 7 (T). É calculada pela fórmula:

14. Porcentagem de saturação por alumínio

Indica a proporção de Al com relação à CTC efetiva (t) e é calculada utilizando a fórmula:

A interpretação dos atributos discutidos nos itens 10 a 16 é a seguinte:

15 – Relações entre bases

A atenção a estas relações é bastante importante, uma vez que estes nutrientes disputam os mesmos pontos de troca da CTC. Assim, o excesso de um pode levar à deficiência induzida dos outros. Cada espécie vegetal exige uma relação específica entre as bases, de acordo com sua necessidade nutricional.

De modo geral, pode-se considerar como ideais as relações descritas a seguir:

16 – Relações entre bases e CTC

Também é interessante observar a saturação de cada base na CTC total do solo. Assim como no caso anterior, cada cultura exige uma saturação específica de cada nutriente.

As relações descritas a seguir podem ser consideradas boas para a maioria das culturas:

FAÇA A SUA ASSINATURA

Ou clique no link:

https://go.agriconline.com.br/pass/?sck=portal

Fonte

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS. Análise de Solo: Determinações, Cálculos e Interpretação. 1ª ed. Belo Horizonte – MG: EPAMIG.

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Murilo Salvador
Murilo Salvador
Técnico Agrícola com Habilitação em Agropecuária (IFES); Licenciado em Ciências Agrícolas (IFES) e Bacharelando em Medicina Veterinária (UNESC).