drenagem-agricultura-1
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin

Propriedades Físicas do Solo Afetadas pelo Excesso de Água no Solo

Confira o artigo sobre as propriedades físicas do solo afetadas pelo excesso de água no solo, escrito por Jorge Luiz Pimenta Mello.

Navegue pelo conteúdo

Aeração

Aeração é o processo pelo qual gases consumidos ou produzidos dentro do perfil do solo, são permutados pelos gases da atmosfera externa, sendo assim um processo dinâmico.

A simples ocorrência da fase gasosa no solo não implica necessariamente que este solo tem aeração adequada. A fase gasosa é necessária para existir aeração, mas isoladamente não é suficiente, pois a aeração é dinâmica e, portanto, deve existir troca de gases entre a atmosfera interna e externa do solo. Essa troca de gases se dá por meio de dois mecanismos: difusão (movimento dos gases em resposta ao gradiente de pressão parcial ou do gradiente de concentração dos gases) e fluxo de massa (movimento dos gases em resposta ao gradiente de pressão total dos gases).

Desta forma, solos com excesso de água, provocam interferência no processo de aeração, fazendo com que esta troca de gases do solo para a atmosfera e vice-versa, seja alterada.

Estrutura

A drenagem deficiente pode alterar a estrutura do solo devido à compactação ocasionada pelo tráfego de máquinas e animais, redução da quantidade de matéria orgânica devido ao pequeno desenvolvimento do sistema radicular das plantas e salinização do solo.

Permeabilidade

Em áreas drenadas, a variação da umidade provoca rachaduras no solo, maior profundidade do sistema radicular, como também maior atividade microbiana e, como consequência, maior permeabilidade.

Textura

Áreas com problema de drenagem, tem maior predominância de silte e argila, em decorrência das deposições nas estações chuvosas.

Temperatura

Nos solos encharcados, ocorre o aquecimento retardado em função dos seguintes fatores:

a – o calor específico da água é cinco vezes maior do que a matriz seca do solo. Consequentemente, para uma mesma radiação solar incidente, o solo com água demora mais a aquecer que um solo seco;

b – a condutividade térmica da água é maior que a do solo seco. Em consequência, o aquecimento superficial durante o dia é rapidamente propagado para as camadas inferiores do solo durante a noite, reduzindo a sua temperatura;

c – em decorrência da evaporação superficial, em solos úmidos, a água é facilmente desprendida da matriz, necessitando, portanto, de menor aquecimento do solo para a retirada de água.

FAÇA A SUA ASSINATURA

Ou clique no link:

https://go.agriconline.com.br/pass/?sck=portal

Fonte

MELLO, Jorge Luiz Pimenta. Drenagem Agrícola. 1 ed. Seropédica – RJ: UFRRJ, 2008.

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Murilo Salvador
Murilo Salvador
Técnico Agrícola com Habilitação em Agropecuária (IFES); Licenciado em Ciências Agrícolas (IFES) e Bacharelando em Medicina Veterinária (UNESC).